Google Rank Checker

ESTÔMAGO

O estômago é um órgão digestivo localizado entre o esôfago e o duodeno. O estômago possui duas classificações:

Classificação cirúrgica: subdividido em cárdia, fundo, corpo, antro, piloro, curvatura menor, curvatura maior, face anterior e face posterior. 

Classificação anatômica: dividido em uma porção vertical chamada trituradora, e uma porção horizontal chamada evacuadora. 

É no interior do estômago que se encontram as glândulas gástricas que produzem o suco gástrico, que contém muitas enzimas, dentre elas a pepsina, que é responsável pela digestão das proteínas. 

GASTRITE

A queixa de dor no estômago é uma das reclamações mais frequentes no dia a dia dos consultórios de especialistas. A gastrite pode ser identificada através da endoscopia digestiva alta com biópsia do estômago.

imgColEsqestomagoGastrite.png

Podem ser considerados agudos os casos de gastrite fáceis de serem tratados com medicamentos específicos. Já as crônicas, estão relacionadas diretamente com um agente causador, responsável pela diminuição da produção do ácido gástrico, relacionado diretamente com a digestão dos alimentos. Graças à má alimentação, um percentual de 40% da população mundial já teve ou tem algum tipo de Gastrite. 

Principais causadores da gastrite:

Erro alimentar: O consumo excessivo de frituras, condimentos, líquidos gaseificados, cafeína e xantinas como encontrado no chá preto café e estimulantes. 

Uso de remédios que irritam o estômago: Dentre eles o mais comum é o uso de AAS (aspirina) medicamento muito usado em pacientes cardiológicos ou em sintomas de resfriado, dor de cabeça e dor no corpo. Além do AAS os anti-inflamatórios não hormonais são outra causa comum de gastrite, principalmente em caso de uso prolongado.

Helicobacter Pylori: Está é uma bactéria que grande parte da população mundial possui. Ela altera a proteção e contribui para o aparecimento de gastrite e úlceras. O seu tratamento consiste em uso de antibióticos e remédios conhecidos como inibidores da acidez do estômago. Saber identificar se os pacientes possuem esta bactéria e o seu correto tratamento é fundamental nestes casos. 

O primeiro passo para o tratamento é encontrar a causa principal do problema, e, com isso, identificar a forma mais adequada de tratá-la, seja com medicamentos ou fazendo pequenas mudanças nos hábitos de vida do paciente. 

Logo nos primeiros dias o paciente já começa a sentir alívio da dor, porém é primordial seguir o tratamento até o fim. O tempo de duração varia de caso a caso, mas geralmente dura de 4 a 6 semanas.

É importante que o seu médico encontre as causas que estão levando você a ter gastrite, pois somente desta forma poderá tratá-la corretamente e minimizar as chances de novas crises.

Perguntas frequentes:
1. Quais as principais causas de gastrite? 
Varizes no esôfago e estômago (estas podem ocorrer em pacientes com cirrose - problemas no fígado - ou em pacientes com pancreatite aguda que tiveram parte da veia desta região trombosada)
Pessoas que vomitam muito, como, por exemplo, aquelas que bebem demais ou que sofrem de bulimia, podem sofrer de sangramento durante os vômitos. A causa disto são as chamadas fissuras de Mallory Weiss, que são pequenas lacerações (rachaduras) longitudinais da mucosa da junção do esôfago com o estômago, causadas pela excessiva pressão nesses órgãos durante os vômitos. 

2. Como é feito o tratamento das hemorragias do trato digestivo?
O tratamento consiste na utilização de remédios para diminuir os vômitos e diminuir a acidez do estômago, até procedimentos endoscópicos que param o sangramento. Em casos mais graves a necessidade de realizar cirurgia para conseguir estancar o sangramento pode ser uma alternativa. 

3. Quais as mudanças de hábitos necessárias para diminuir os sintomas da gastrite?
• Se alimentar de 3 em 3 horas para evitar que o estômago fique longos períodos vazio. 
• Diminuir ou eliminar o uso de cigarro e bebidas alcoólicas.
• Selecionar alimentos saudáveis e evitar o uso excessivo de condimentos, frituras e líquidos gaseificados. 
• Dar prioridade a verduras escuras, de preferência cruas. 
• Praticar exercícios. 
• Dormir ao menos de 6 a 8 horas por noite.
 
SINTOMAS:
Os sintomas apresentados pelos pacientes variam entre dor abdominal em andar superior (mais conhecido popularmente com boca do estômago), até empachamento (sensação de estomago cheio), dificuldade de fazer digestão, náuseas, vômitos, azia e, em casos mais graves como na gastrite erosiva, podemos ter sangramentos, fraqueza, dormência da língua e diarreia. Devido a esta diversidade de sintomas e estes não serem específicos apenas para gastrite, uma consulta médica detalhada deve ser realizada.

HEMORRAGIAS NO TRATO DIGESTIVO

Neste tópico iremos abordar os sangramentos que ocorrem no trato digestivo alto, que são os provenientes do esôfago, estômago e duodeno (primeira parte do intestino fino).

hemorragia-trato-digestivo.png

Úlcera péptica
Se desenvolve no estômago ou duodeno e é responsável por mais da metade das hemorragias. Essa complicação ocorre quando a úlcera atinge e rompe alguma artéria ou veia da parede do órgão.

Varizes no esôfago e estômago (veias dilatadas)
Podem ocorrer em pacientes com cirrose (problemas no fígado), em pacientes com pancreatite aguda que tiveram parte da veia desta região trombosada.

Pessoas que vomitam muito, tais como as que bebem demais ou que sofrem de bulimia
Nessas podem ocorrer sangramento durante os vômitos, causado pela Síndrome de Mallory Weiss, que consiste em pequenas lacerações (rachaduras) longitudinais da mucosa da junção do esôfago com o estômago, causadas pela excessiva pressão nesses órgãos durante os vômitos. 

Como é feito o tratamento das hemorragias do trato digestivo?
O tratamento consiste desde remédios para diminuir os vômitos e diminuir a acidez do estomago, até procedimentos endoscópicos que param o sangramento e em casos mais graves a necessidade de realizar cirurgia para conseguir estancar o sangramento pode ser uma alternativa. 

Por essa gama de tratamentos é essencial que o paciente seja avaliado rapidamente por um especialista para realizar o diagnóstico, causas e definir quais as medidas que devem ser tomadas.